Home Internacionalização da pós-graduação no Brasil é discutida em Núcleo de Estudos Avançados do IOC
Voltar
Publicado em 05/09/2018
  • Centro de Estudos/Sessões científicas
  • Cooperação
  • Cursos
  • Destaques
  • Educação a Distância

Internacionalização da pós-graduação no Brasil é discutida em Núcleo de Estudos Avançados do IOC

Os desafios e as perspectivas da pós-graduação no Brasil foram destaques da última edição do Núcleo de Estudos Avançados do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), realizada no dia 24 de agosto. A iniciativa recebeu a assessora especial da Diretoria de Relações Internacionais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Cyntia Sandes Oliveira. A atividade integrou a programação do VI Encontro do IOC, uma iniciativa de mobilização interna para a construção participativa do planejamento estratégico da instituição. “É uma grande honra receber uma representante da Capes, uma das principais agências do sistema, responsável pelo alto padrão e excelência acadêmica na formação de recursos humanos de alta qualificação no país”, destacou o pesquisador Renato Cordeiro, coordenador do NEA.

“A internacionalização deve ser um meio, e não uma finalidade, para alcançarmos objetivos maiores, como o aumento da qualidade das nossas pesquisas, a conquista de uma visibilidade internacional diferenciada e a definição do Brasil como referência em termos de qualidade de pesquisa”, defendeu Oliveira, que abordou aspectos da nova política de internacionalização da Capes durante o encontro. Chamado de ‘Capes PrInt’, o novo Programa Institucional de Internacionalização da agência, lançado em 2017, começa a dar os primeiros passos. A iniciativa, que pretende transformar instituições de ensino superior e institutos de pesquisa no Brasil em ambientes internacionais, teve os resultados divulgados no dia 20/08. O programa irá contemplar, num primeiro momento, 25 instituições, de várias partes do país, incluindo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e a Universidade de Brasília (UnB). No processo de avaliação, foram considerados critérios como o grau de excelência dos programas de pós-graduação, a capacidade técnica e experiência internacional das instituições, bem como o caráter inovador, coerência e viabilidade das propostas.

Segundo Oliveira, a estratégia visa ampliar o impacto da produção acadêmica e científica realizada no âmbito de programas de pós-graduação, estimular a formação de redes de pesquisa internacionais e incentivar a mobilidade de professores e estudantes entre países. Os projetos escolhidos serão iniciados em novembro, com prazo de duração de quatro anos. A partir de 2019, R$ 300 milhões serão investidos anualmente no Programa. A aplicação dos recursos inclui bolsas no exterior (doutorado sanduíche, professor visitante e capacitação), bolsas no Brasil (jovens talentos, professor visitante e pós-doutorado), além de auxílio para missões de trabalho no exterior e manutenção de projetos.

Dados do Sistema Nacional de Pós-graduação (SNPG) mostram que o país conta com mais de 4 mil programas, num total de mais de 6 mil cursos, 266 mil alunos e cerca de 90 mil bolsistas. “O equilíbrio entre crescimento e excelência é um dos desafios da pós-graduação no Brasil. Temos uma expansão do sistema, que é necessária para atender às dimensões do país, mas precisa ser acompanhada da qualidade na produção da pesquisa”, pontuou Cyntia. De acordo com a assessora, a implementação do Capes PrInt poderá inspirar mudanças no atual formato de financiamento de pesquisas no país. As perspectivas incluem a revisão de acordos e parcerias, novas estratégias de cooperação internacional e a promoção do equilíbrio na distribuição do fomento.

Pontos de vista

A sessão contou com a participação de pesquisadores, professores, estudantes e coordenadores de cursos de pós-graduação. O diretor do IOC, José Paulo Gagliardi Leite, destacou a importância da criação de mecanismos que estimulem a inserção profissional de doutores beneficiados por programas de internacionalização. As incertezas em relação à absorção de jovens pesquisadores pelo mercado de trabalho também foram apontadas pelo representante dos estudantes de pós-graduação do Instituto, Ícaro Rodrigues dos Santos. Já o vice-diretor de Ensino, Informação e Comunicação do IOC, Marcelo Alves Pinto, destacou os impactos da Lei de Biodiversidade (Lei nº 12.123), sancionada em 2015, para a internacionalização da pós-graduação, na medida em que fica estabelecida uma nova regulamentação para remessa internacional de amostras biológicas. 

Iniciativas do IOC para internacionalização do Ensino

Em 2016, como parte das ações de internacionalização do Ensino, os sites dos cursos de pós-graduação Stricto sensu ganharam conteúdos em inglês e espanhol. Histórico dos Programas, áreas de concentração, linhas de pesquisa e informações sobre o ingresso no mestrado e doutorado são alguns dos conteúdos em versão trilíngue oferecidos com o objetivo de expandir o acesso e o ingresso de candidatos estrangeiros. A iniciativa reforçou o compromisso do IOC com a formação de pesquisadores e recursos humanos qualificados, incentivando a troca de conhecimento e de experiências. O estímulo ao intercâmbio e à participação em eventos internacionais e a realização de cursos e disciplinas por professores estrangeiros também são alguns dos passos dados rumo à internacionalização do Ensino. 

Concomitantemente às diversas ações nacionais caracterizadas pela Capes como iniciativas de solidariedade acadêmica, o Programa de Cooperação Internacional de Pós-graduação em Ciências da Saúde, uma parceria entre a Fiocruz e o Instituto Nacional de Saúde de Moçambique (INS), da qual o IOC participa de forma ativa, soma a formação de mais de 40 mestres ao longo de nove anos de parceria. Dentre as recentes cooperações internacionais firmadas pelo Ensino do Instituto, podem ser destacadas as parcerias com a Universidade do Texas Medical Branch (UTMB), dos Estados Unidos, e com a Universidade de Glasgow, na Escócia. Atualmente, cerca de 25 estudantes estrangeiros compõem o quadro de discentes de cinco dos sete Programas do Instituto. E eles vêm de diversos países: Paquistão, Moçambique, Escócia, Portugal, Colômbia, Equador, Cuba, Haiti, Argentina, Peru e Paraguai.

 

Por Lucas Rocha (Instituto Oswaldo Cruz/IOC)